13/02 - Airton Guerner para Notícias Contábeis do Contabilidade na TV*


Vender pela internet não é tão fácil assim. Apesar das promessas de atingir um público amplo, custos operacionais reduzidos e lucro maior, é fato que o e-commerce possui suas particularidades e para quem está começando podem ser bastantes desafiadoras. 

Isso vai desde a parte técnica como a construção do site, registro de domínio, homologação do TEF passando pela legislação, pois agora o empreendedor pode atingir clientes de todo o pais e com isso vai se deparar com as peculiaridades de cada estado.

Mas existe uma modalidade de vendas pela internet que vem ganhando força e promete auxiliar quem procura entrar neste mundo, é o Marketplace.

Este conceito de vendas pela internet teve início nos Estados Unidos através da Amazon e que ainda hoje é referência no assunto.

Mesmo por aqui esta modalidade de vendas não é nova, tendo seu início em 2012 puxado pela gigante CNova, responsável pelas operações digitais de Extra, Casas Bahia e Ponto Frio.

Na sequência vieram outras como a B2W, que cuida dos grupos Submarino, Americanas e Shoptime – Walmart. Há também os muito populares Mercado Livre, OLX e Bom Negócio.

Assim como o e-commerce, o Marketplace também é um site desenvolvido para promover a venda de produtos pela internet. 

A grande diferença é que no e-commerce há normalmente uma loja virtual em que uma empresa vende seus próprios produtos. Já o Marketplace é uma plataforma em que vários outros lojistas podem se cadastrar e vender. 

Como se fossem um shopping center virtual, grandes lojas, como a Americanas.com, o Submarino e o Shoptime, permitem que diferentes lojistas utilizem sua plataforma para venderem seus produtos. Eles podem utilizar toda a estrutura tecnológica e influência destas marcas para atrair o consumidor e gerar negócios para si próprios.

Para quem compra, a navegação é continua, idêntica a uma loja virtual, porém com o diferencial de ter acesso a centenas de vendedores em um único site. Em muitos casos, se o usuário não prestar atenção, não saberá que está comprando de um terceiro. Já em outros sites como OLX e Mercado Livre essa condição é mais evidente. 


Prós e contras

Para quem está começando a vender pela internet o sistema Marketplace oferece várias vantagens:

1 - Infraestrutura
Aqui o iniciante tem a sua disposição todas as ferramentas para começar a vender. Não precisa se preocupar em correr atrás de alguém para desenvolver o site, fazer a homologação do cartão de crédito, contratar domínio, etc...

Grandes empresas como a B2W oferecem toda esta parte, além de controle de estoque, análise de crédito, CRM e controle de pedido. 

2 - Visibilidade e confiança
Quem compra pela internet costuma pesquisar não só os preços como também a reputação de quem está vendendo. Quando uma loja menor coloca seu produto no Marketplace de outra já estabelecida no mercado como Americanas ou Submarino por exemplo, consegue quebrar algumas objeções de compra ligadas tipicamente à falta de confiança, se beneficiando assim da reputação da loja hospedeira. 

Mais nem tudo são flores, e há alguns pontos importantes que devem ser analisados antes de optar por este modelo de negócio.

A comissão pode variar entre 10% a 30% de cada venda realizada.

Cabe ao empreendedor fazer as contas e verificar se vale a pena.

a) Será que a sua margem de lucro comporta o custo do produto somado ao custo da comissão?
b) Para conseguir ser competitivo, vou ter de reduzir minha margem de lucro?
c) O aumento esperado no volume de vendas vai compensar a redução na margem de lucro?

Além da cobrança da comissão, o Marketplace também possui um prazo para liberação dos valores que pode variar de 02 a 45 dias, contados a partir da postagem ou entrega do pedido. 

Outro ponto que precisa de atenção é a escolha do Marketplace ao qual você vai associar sua empresa. O público que visita cada um pode ter perfis ligeiramente distintos, tanto em relação a fatores demográficos quanto de interesses.

E por fim, leia atentamente as políticas e termos do Marketplace escolhido. O vendedor tem a obrigação de adequar-se a estas condições ou poderá receber denúncias dos clientes e ser retirado da plataforma ou sofrer punições financeiras.

*Airton Guerner - MBA em Governança de TI - ICPG, Pós Graduado em Consultoria e Implantação de Software - ICPG, Bacharel em Sistemas de Informação - Uniasselvi. Trabalha na SCI Sistemas Contábeis como coordenador do suporte ao cliente - Escrita Fiscal. Articulista do Blog Contabilidade na TV desde 2017.

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!

0 comentários:

Postar um comentário